domingo, 23 de janeiro de 2011

ACDC / Meu codinome é dinamite



Povo da internet, hoje eu descobrir algo que supostamente já sabia. Feira é um cú.
Não, desculpe-me, não vou começar ofendendo a cidade que nasci, vou começar ofendendo os cidadãos dessa cidade, agora sim.  Hoje foi mais um grande pequeno dia em minha vida, fui num showzinho ai e tal, vi uma galerinha ai e tal, gastei um dinheirinho ai e tal, e vim embora quando EMOCDC entrou no palco e tal.

‘’Bebeto show live 2 - a vingança do falido – especial acdc’’
Por: Junior Nodachi

Sei que quando uma pessoa aceita ir a um show do acdc (uma cover emo pra ser mais exato) só pra ter o que escrever, não passa um estado mental não muito bom. Mas perante o cenário punk metal destrution de feira de Santana, um show cover de (merda) seria até uma grande atração, pois Bebeto conseguiu o milagre de praticamente lotar o espaço de shows dele (que parece ir à falência a cada dia) 

A parte que mais gosto desses shows é antes do show começar, a expectativa de ver bandas boas (nem fudendo são boas), de ver pessoas novas, pessoas legais, pessoas filhas da puta, pessoas apessoadas, pessoas personificadas, pessoas pessoais, pessoas pessoando, no fim todas as pessoas humanas e normais (ou não)

Como de praxe, passei na casa de Fabio, como de praxe ele não estava pronto, como de praxe fiquei esperando. Depois nos dirigidos pra casa de Meirelles (milagre!!!), ele tava pronto e não pronto, como de praxe.
Então descemos a rua para o Bebeto show live. O bom de ir a esses shows é que nunca começa na hora, se marcar para as 16:00 começa as 19:00, se marca para as 19:00 começas as 21:00, se marca para as 21:00 começa as 24:00, e se marca para as 24:00 ninguém vai.

Quando chegamos lá num tinha um pé de gente, (tinha rayan, Douglas e um guri que leu meu blog, que já tinha passado na casa de fabio quando eu estava lá, mas isso não é gente), Bebeto lago nos cumprimentou,(na hora lembrei da mãozinha de Eliel)

Fomos pra uma ‘’reta’’ e ficamos ali, parados, sentados, esperando o grande e foderoso evento acontecer. As bandas iam chegando de pouco a pouco, eu imaginava se alguma delas prestava, (mas só de ver todo mundo de preto tirado a fodão eu achei que era tudo uns lixo). Continuavam a chegar bandas, amigos , integrantes de facções, brows e skatistas, (cara eu queria aquela roda gênios). Depois dessa diversificada aglomeração de cidadãos vestidos de preto, eu era o único representante legítimo do rock (estrelando meu modelo verde reestart).

Sentado lá falamos de tudo, principalmente de bandas, acabei descobrindo que Meirelles ainda tem pretensões de forma banda comigo e soneca, o que foi uma noticia ótima, não vejo a hora de chegar aos meus 25, 30 anos pra isso acontecer.

Conversa vai, conversa vem, a maioria delas conversas estranhas e sem sentido, me deram outro apelidinho carinhoso ‘’Marimoon’’, eu era agora a blogueira da MTV, eu tava me sentindo muito sexy, mas um tanto que desconfortável com isso (maldito Douglas). Tudo isso de marimoon poderia ter passado despercebido, se não fosse certa guria hip hop emo, que sentou do meu lado quando eu tava protestando contra a banda ’’ Naruto pressão force no hip hop’’ , e ela do nada me ofereceu alguma coisa e me chamou de marimoon. Dei meu olhar irônico e disso: não, valeu. Sinceramente, acho até que posso ta sendo um filho da puta agora, mas quem porra falou que eu (agora) me chamava assim?(marimoon é muito gay vei)

Antes de o evento começar, (ainda, demora muito), fui comprar algo pra beber, por que Seu fabio esqueceu sua garrafa milagrosa em baixo da cama, mas tudo bem, eu tava com grana, só não queria gastar. Estávamos lá tomando um fazedor de alegria, quando vimos... adivinha quem..Dui, dui sem cabelo, por incrível que parece achei melhor, mas não ia falar isso pra ele, com ele tava Danilo, outro milagre, e Felipe, mas Felipe não é importante.
Quando terminamos o alegrador fomos lá comprar os ingressos. (nem sei pra que porra Bebeto imprimiu aquilo, agente pega, sobe uma escada e da à Laura, ô, quer dizer, da pra mulher dele). Logo na subida vi uma criaturinha muito headbang na escada (tava sexy pacas), com ela tinha uma amiga (não estou autorizado a citar nomes aqui, e também eu posso acabar errando o nome, o que seria uma garfe), depois de mais socialização de praxe, fui ver a nebulosa.

(Nebulosa) notas e critica
Aparência: 5.0
Melodia: 4.5
Musicam próprias: 4.5
Letras: 3.5

Aprendemos com a nebulosa que: a nebulosa pode levar um show de ruim para mais ou menos, ou de um show bom para um show de merda, dependo só com quem ela ira tocar. Eles têm atitude, mas tem um vocal completamente desafinado e guitarristas incompetentes. Então quando você vê um cartaz com a propagando da nebulosa, olhe as outras bandas, se forem ruins você terá um bom show, se forem boas você se fudeo e perdeu dinheiro.

Entre as musicas da nebulosa fiquei falando com a criaturinha (cuticuti nescal sexy headbang), falei merda pra caralho como sempre. Pelo menos num falei do clima, o que era alguma coisa. A nebulosa acabou do jeito que começou, sem eu notar.

Agora era hora de outra atração da festinha, a ambulatório (pressão naruto hip hop do capeta), ela ficou marcada pelo estilo irreverente do vocalista, que provavelmente tinha cheirados vários gatinhos (roubei isso do desciclo :P). Altos duelos de hip hop rolando na pista, giros mortais, break, e tal, depois de muita musica sem entender nada. Eu sentei, e fiquei sentado, paradão, olhando pra minha medalha de patente e me perguntando por que não fiquei em casa, (se tivesse eu e fabio matando gente pela internet seria mais produtivo, vai que encontrasse um PC Siqueira da vida ai, e vai que eu desse cabo do disgramado).

Depois de muito protesto comunista (cara eu odeio comunistas, assim como odeio hippies, odeio acdc e odeio legião urbana). Eu tava quase dormindo, e a ambulatório não parava de tocar, caralho.

(Ambulatório): notas e critica
Aparência: 6.0
Melodia: 4.0
Musicam próprias: 0.0
Letras: 3.0

Aprendemos com a Ambulatório que: não devemos julgar as pessoas pela aparência, que quando vemos uma banda muito fodona, cheias de telecuteco, com uma marra maior do que a de Romário e Edmundo jogando juntos, com certeza ela será um cú de banda. Vocal cheirador de gatinhos com óculos do naruto. Ele tava hiperativo pra caralho. O guitarrista fodão não se mostrou muito competente também. Caso você ver o cartaz da ambulatório por ai, sabia que vai ser hip hop na veia, hip hop manjado na veia melhor dizendo, claro que tudo com  uma distorção bem alta pra provar que são maloqueiros. Eles são a típica banda ‘’tu viu aquela banda tosca?’’ (YEAH!!!).

Depois da ambulatório era a vez de uma banda ai de HC, (a banda do guri que num para de dar dedo, ali nasceu dando dedo, o doutor olhou e falou: olha dona num sei quem, seu filho esta me dando dedo. Depois disso o doutor deve ter dado um tapão ai o bebê chorou).

Eu sempre gostei de HC, desde a época que andava de skate,mas uma coisa nessa banda fazia ela se destacar no quesito ‘’raiva da porra’’. Ele começa a introdução de uma musica muito foda do Metallica e parava, começava e parava, (nessas horas ninguém tem um 38 a mão). Mas eles foram até bons, arrisco dizer que foram à melhor banda da noite, principalmente quanto tocaram duas musicas dos Raimundos. Eu entrei na roda punk na hora de ‘’eu quero ver o oco’’, foi muito maloqueiro esse momento.

Claro, teve horas que eles tocaram coisas ruins, que me lembram de momentos ruins, (que eu não estou a fim de escrever aqui), mas eles valeram meus cinco reais do ingresso.

Aparência: 4.0
Melodia: 6.5
Musicam próprias: 1.0
Letras: 6.0

Aprendemos com a banda de HC (eu num sei o nome deles não, e sou baiano demais pra ir procurar): que nem toda banda de pivetes, toca musica pra pivetes. E eles podem ser uma mão na roda na montagem de uma grade de show, tocando musica conhecidas e que agrada vários estilos (tirando os troos, claro), não tenho muito comentários pra essa banda, só deixo uma dica: ‘’se você não tem musica própria você não tem banda’’. Da pra usar eles pra abrir os shows de Bebeto, ninguém sobe na primeira banda mesmo.

Depois da bandinha de HC, fiquei por ali. Meirelles nitidamente interessando em uma guria, bonita até, (estamos falando de Meirelles, o famoso Meirelles, o cara que admiro muito, o cara que tudo quer tudo consegui), ela logo sacou a dele, mas ele nem foi lá falar com ela, ele tava reclamando de dor de cabeça, até pensei por um momento se ele tava perdendo a magia, mas não pagaria tanto pau pra um cara se ele não fosse foda.

Então começa o acdc cover. Todos sobem rapidamente. (quando vi que era os caras da flat, fiquei puto, olhei pro emo e falei: fudeo). A banda é especialista em paramore  e hoje estaria tocando acdc. Ta bom que no caso até se lá estivesse o próprio acdc eu ai achar uma merda, mas não foi só eu. Fabio queria ir embora, ph queria ir embora, eu queria ir embora, então o que foi que fiz...fui embora. Desci e liguei pra Carlos me busca e tal. Fiquei sentado lá em baixo ,no chão com os caras, foi quando danilo desceu reclamando da banda também. Mas é serio, quem agüenta uma merda daquela, o guitarrista errava mais que Álvaro tocando megadeth, o vocal parecia um puta, uma voz de merda para uma banda de merda (ta bom que ele é baixista, e num sabe cantar e tal, só é um fã fazendo um tributo e tal, mas mesmo assim). O batera só era batera por que era dono do estúdio flat, por que num toca carai de nada. O baixista é outro, (o famoso ’’ baixo carão, baxista de merda’’). Depois disso fui embora. E foi assim que acaba mais uma noite na boa e velha feira de Santana (:D).

Ahh, pra quem quer saber as notas da acdc cover e da cidadão desistente:

(acdc cover): notas sem critica
Aparência: 4.0 + um emo
Melodia: 2.0 (se for tocar cover toque certo, ou melhor)
Musicam próprias: 0.0
Letras: 5.0 a letra do acdc são até legais (pra gente que acredita no deus macarrão voador como eu)

(cidadão desistente) notas sem critica
Aparência: 6.0 (a mulher dele deve amar muito ele)
Melodia: 6.0 (a mulher dele deve amar muito ele)
Musicam próprias: 5.0 (a mulher dele deve amar muito ele)
Letras: 1.0 (quem é esse anjo atormeeeeeeentado, que não vê suas azas no espeeeeeeelho) (a mulher dele deve amar muito ele)

Aprendemos com esse texto que uma banda pode valer um real se forem cinco por cinco. Aprendemos também que o acdc é ruim, o acdc cover é ruim, o acdc tributo é ruim, e seus fãs são doidos cheiradores de gatinhos (os famosos infanto-revoltados). Aprendemos mais, aprendemos que quando eu uso verde viro a marimoon, e que meu blog ta sendo reconhecido ( :D)

Obs: caso alguém se irritou com o texto, comentar sobre o que não gostou, pra eu escrever um texto especialmente falando do assunto em questão, e mandar pra você toda hora igual uma corrente de Jesus do orkut.



sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Mesa de bar



A bela arte de trabalhar em um bar faz você refletir sobre a vida, sobre a morte, sobre a chance de você virar um zumbi, sobre a chance do cachorro da vizinha morder você, sobre sociedade e sobre os pensamentos humanos. A primeira coisa que você pensa quando aceita um trabalho de balconista em um bar do subúrbio é que você se lascou todo. Mas nem é de todo mal, pois eu ainda estou vivo, forte e gordo. Acho que como minha estadia de dois a três anos trabalhando em um antro de perdição para cachaceiros e colaboradores vai ser um pouco grandinho, é provável que seja postado em mais um texto.

‘’Entre a cruz e a garrafa’’
Por Junior nodachi

Tudo começou quando meu tio falou uma vez se eu queria ficar de olho no bar dele enquanto ele ia ao centro fazer umas compras. Como garotinho educado e prestativo que sempre fui aceitei de bom grado, sem segundas intenções. (eu não ia encher a cara lá)

As primeiras vezes que passei minha agitada tarde naquele bar foram até que bem simples, algumas vezes sozinho, outras com ajuda do meu avô (CHATO PRA CARALHO! CHATO PRA PORRRRRRA!). Ele se achava um grande e vivido foderrão, tinha varias de histórias na ponta da língua para contar aos fregueses (a maioria mentiras), um típico avô se não fosse meu. (vendo um avo entre 85 e 87 anos, conservado, ativo, meio galinha e com uma fazenda) Ele até me tratava bem nessas ajudas que eu dava a meu tio no bar, não eram freqüentes deveras, uma vez por semana. Eram cinco ou dez reais bem vindos pra mim, (dava pra gastar jogando pro skate na locadora de Marivaldo).

Logo quando meu tio me formalizou no trabalho, (escravo fugenciu) num foi uma carteira assinada, mas foi um contrato bocal. Eu ia ganhar a pequena quantia de quarenta reais por semana, o que me dava 160 por mês, o que era uma merda, mas eu como jovem acostumado a leite com pêra e pão com mortadela, na minha flor da idade, nos magníficos 14 anos de vida, aceitei o trabalho.

Eu trabalhava das 12:30 as 13:30, ia pra casa, almoçava, dava uma jogadinha no PC, e voltava as 15:00, abria o bar e ficava lá. Não era bem um bar, bar. Era uma mercearia que vendia bebidas alcoólicas (:D ). Tinha de tudo e mais um pouco. Ficava na frente da casa dos meus avós, isso tornava tudo mais difícil, mas não tão difícil no começo.

Lá também trabalhava minha prima, ela ficava lá pela manha,( filh@ $@%# #@$#@$), eu achava até legal, antes de descobrir umas coisas escrotas sobre ela(ela fazia minha caveira, pra ficar com os dois horários e ganhar mais e conseguiu tempos depois. Agora faz tua FTC ai nerdona ( _|_  ). Enquanto isso a rotina corria, casa, colégio, trabalho, e assim se criava um ciclo vicioso de escravidão. Todo trabalho só dura três meses, depois disso passa a se chamar carma, tormento, escravidão ou algo parecido. 

No primeiro ano de carma, eu adorava e odiava as noites. Adorava por ser um guri responsável, que estava juntando seu dinheiro, procurando o fazer, virando homem de verdade.  E odiava pelo fato de ter que trabalha para meu tio, na casa da minha avó, sobre a supervisão do meu avô, junto com minha prima, e todo dia. Sem falar nos bêbados, nos brows, nos caloteiros, ladrões, mafiosos, e muito mais pessoas que enchiam meu saco.

Uma parte legal foi que durante esse tempo sem muita vida infantil social adolescente eu fiz vários amigos, nenhuma com menos de 30 anos claro (eles falam iai cara, iai filho de Denílson, iai sobrinho de marquinhos, ou até iai neto de seu Zé, quando passo por eles hoje,muito poucos falam Juninho), mas achava os assuntos bem mais interessantes daquela forma. Eu tinha perdido o interesse por pessoas novas, até hoje sou assim. Aprendi uma tanto de tudo, pois todo mundo queria me ensinar algo, pois eu era a mente em desenvolvimento lá. Aprendi coisas sobre comercio, bebidas, comida, compras, pessoas, mulheres, principalmente mulheres, por isso falo bem mais, e sou bem mais adorado por mulheres mais velhas do que as mais novas, mulheres novas tem ideais diferentes, coisas de mulher ( :P ). Mas um ponto se destaca perante isso tudo, sexo. Se você quer ouvi sobre sexo, trabalhe em um bar, se você quer saber sobre sexo, trabalhe em um bar, se você gosta de putaria das brabas, trabalhe em um bar. Posso até afirmar que tinha virado um especialista em sexo sem ter ao menos feito ainda.  Fiquei fascinado por comportamento humano, sabia só de olhar para uma pessoa o que ela tava passando, e sabia descrever a vida de uma pessoa pela cerveja que ela pedia. (Especial esse dom)

Meus amigos e conhecidos iam de policias a ladrões. Falando em policia e ladrão, uma arte de dono de bar é ser observador e esperto, ou você pode ser enganado na conta. Um dia a civil parou lá, entraram com umas metrancas grandonas, e numa marra da porra (achei da hora), revistaram todo mundo, eu morria de medo atrás do balcão. Mirou o bagulho pra mim e perguntou quem eu era.

- Que é você moleque?
- Eu trabalho aqui.
- Você trabalha?
- Trabalho, aqui é casa da minha vó, e a mercearia é do meu tio (eu num ai falar ‘’bar’’ pra policia nem fudendo)
- Cadê o documento?
(todo mundo mostro....menos eu ¬¬)
- Eu não estou com documento.
- Vou liberar dessa vez.
- Ok.

Eu tinha ficado branco, azul, verde, rosa, tava quase um arco-íris na passeata gay, morria de medo (foi ai que começou minha admiração pela policia).

Outra coisa boa de trabalhar em um bar são as guria ( XD ), gurias de todo tipo, forma, cor e credo, a maioria filha dos meus supostos amigos velhos, era uma maravilha. Teve umas três que se destacaram perante imensidade de gente que eu atendia. A da casa vizinha a da minha tia, ela tinha vido de uma cidade ai, ai pá e tal, e... Sabe? (o sotaque dela era da hora de mais), tinha também a filha do House, que era meio magricela na época (é até hoje), não era tão interessante, mas me dava certa moral, até eu estragar tudo. Passei um dia por ela indo pro colégio e não respondi o ‘’oi’’ que ela me deu, e ela tava junto com as amigas e tal, (eu não entendi até hoje), ela ficou falando depois:

- por que você não respondeu meu oi?    
- que oi?
- de manhã quando você tava indo pro colégio.
- eu num vi, ora. (eu não tinha visto mesmo, eu tava andando e me equilibrando no meio fio, faço isso até hoje)
- você viu sim, você viu sim, você viu sim, você viu sim, você viu sim.
- foda-se porra! Sou nada teu.
- foda-se você!
- ta bom foi mal.
- me deixa viu.
-hã?...maluca.

Depois disso, ela foi embora e nunca mais falou comigo. (:D)

Um grande problema de trabalhar em bares é que bares funcionam até a noite. Eu ficava lá até as oito, nove horas, depois disso que eu ia pra casa jogar finalmente. Num precisa nem falar que eu fiquei de recuperação esse ano, né? Foi um saco só, mas tudo bem, eu já tinha minha bike equipada (foi roubada anos depois por um negão armado com um 38, odeio ladrões), meu PC tava filé, e eu tinha pretensões de comprar outro.

Às vezes quando meu avo viajava, eu fica dormindo na casa da minha vó, por que a família pedia. Diziam que pra caso de acontecer alguma coisa eu acudir à velha. Minha vó era um doce de pessoa até você passar um dia com ela, (velha chata do capeta!!!). E quando juntava meu avô e ela, ai que a merda tava feita mesmo.
Eles tinham um casamento meu de fachada no meu ver, eles brigavam muito, era um tentando matar o outro. Eles ‘’tinham’’ por não tem mais, ele se separam. Com 85 anos uma separação pode ser algo difícil pra uns, mas eu achei super legal, era melhor isso do que um botar veneno de rato na comido um do outro.

Quando você trabalha bem próximo a família passa a odiar todo mundo, odiar festa em família, odiar reuniões de família, odiar fim de semana em família, odiar os familiares. (esse ódio perdura até hoje, tem uns três anos que num vou a uma festa de família)

Alem de odiar familiares, trabalhado junto da família você passa a descobrir coisas que você não deveria descobrir.
Ex:
Traições
Roubos
Calunias
Vingança
Perversão
Vícios
Personalidades  estranhamente suspeitas
Isso tudo e mais um pouco. Você que supostamente acha sua família perfeita, adorável e legal, é por que você não conviveu com eles tempo suficiente para saber que são verdadeiros filhos da puta.  Eu descobrir que minha tia botava galha no meu tio (porra, eu adora meu tio), descobrir que meu outro tio botava ultras galhadas na minha tia (já esse tio eu queria que morresse mesmo), descobrir que outro tio era um larapio sangue suga, (minha família era grande).

Mas o proveito de trabalhar perto da família também chegava. Eu virei uma expert em buraco, eu era quase um baralhista, nós jogávamos das oito as duas da madrugada. Era jogo pra caralho. No começo não me deixavam jogar (filhos da puta), eu tive que ir ganhando a confiança para entrar no circulo da jogatina, foram três meses observando jogadas e aprendendo técnicas, sem da um pio, quietinho, sentado numa cadeira. Minha chance chegou quando meu primo tinha saído pra alguma coisa, e faltava um pra completar a dupla, foi que me apresentei. Ninguém botou fé que eu ia jogar bem, mas eu bati o jogo. (eu bati o jogo porra! Eu sou foda!!! Caralho!)  Depois pois disso eu era bem requisitado pra jogar, tomei o lugar do meu primo, que passou a fazer outras coisas, (como pegar mulher. Eu era otario, trocar mulheres por baralho... só um idiota mesmo) Teve uma época que tentei aprender poker, mas não deixaram, por que eu poderia viciar e virar um jogador maligno das trevas.

Já ia esquecendo outro ponto positivo de trabalhar em um bar. Conhecer a malocagem. Nada melhor pra se sentir seguro do que conhecer a malocagem. Eu conhecia brows pra caralho, comprava boné na mão de um, tenho bonés até hoje, eu comparava um por semana, ele me vendia a dois reais, uma pechincha.

La também tinha as caças níqueis, um bar não é um bar sem as famosas e agora proibidas caça níqueis, nada mais prazeroso do que ver pessoas perder todo seu salário numa maquina ladrona. Passei tanto tempo vendo as pessoas jogarem, que já adivinha onde ia parar, alguns se ligavam e se aproveitavam(do meu dom de premonição), mas eu sempre escolhia a quem ajudar, falava palpites certos, hora falava palpites errados. Eu era Deus no julgamento final, escolhia quem ia pra casa de cabeça baixa falar com mulher que perdeu tudo, e quem iria com um sorriso de orelha a orelha ter uma noite de sexo casual rotineiro. (me comparei a Deus, me crucifiquem agora)
   
Vou parando por aqui pra não ficar muito grande, posto mais depois sobre esse assunto.

Aprendemos com esse texto parte 01, que um duque vale mais que qualquer carta, e que uma real tem uma seqüência de sete carta do mesmo símbolo, quando a mesma for limpa. Aprendemos também que quando uma mulher (magrela ou não) fala ‘’oi’’ você tem duas opções, responder ‘’oi’’ ou mandar ela ‘’se fuder’’ depois (se fuder metaforicamente)...mas sei lá, literalmente é legal tbm...tou pervertido hoje..saco.

Nossa só pra eu não esquecer. Meu primo por parte de pai teve aqui hoje e tal, (toda a história é baseada em parentes de parte de mãe, ai decidi falar no finalzinho do outro lado pra não criar um conflito) ele mora meio longe ai ele veio dizer que teve um filho (ELE TEM 19 ANOS!!!), ahh e só pra completar a as três irmã dele casaram também (20, 16 e 14, mas que pohha de mundo perdido é esse) e de 16 já ta prenha tbm. Então é só.

USEM CAMISINHA SEUS FILHOS DA PUTA! PAREM DE FUDER MEU MUNDO COM UM BANDO DE PIVETINHOS SEUS PUTOS!

Resmungos: casar com 14 anos....num era nem pra ela ta se masturbando com 14 anos,...cadê os Jonas brothes quando a gente precisa...mundo perdido...


domingo, 16 de janeiro de 2011

Correntes de orkut


Aiai, hoje eu acordei com a corda toda. Isso seria super show se não tivesse em meu caminho um detalhe que atormenta a sociedade brasileira.

‘’Mande isso pra sua mãe, seu fdp’’
Por: Junior Nodachi
  
Logo após acordar, eu abri meus pequenos e lindinhos olhos cor de casca de arvore morta. Pensei em varias coisas diferentes, fiz varias coisas diferentes, mas no final tudo me levou para frente dessa pequena tela de 17 polegadas, quando abri o famoso abrasileirado Orkut e vi que lá tinham três correntes, correntes do capeta. Mas até ai tudo estava normal, pois isso assola a humanidade há séculos. Desde as cartas mandadas por pombos, sinais de fumaça e pinturas rupestres elas então ai, sendo mandada aos montes.

Para algumas pessoas sociopatas, reenviar esse tipo de artefato maligno nada mais é do que se livrar de ter uma vida medíocre. Mas não sabem elas que a vidas delas já são super medíocres, são verdadeiros filhos da puta.

Tudo isso nunca me faria escrever um texto sobre essa cultura mundial de tentar foder o próximo para se proteger, algo que não é errado, mas também não é certo. Quando você aceita fazer uma contar numa rede social, você é lembrado bem no inicio de que lá haverá varias correntes sobre Jesus, bom dia, natal e de fudeção. Você nunca foi enganado, e assinou o quesito de responsabilidade.

O motivo que me fez perder um tempo que tenho de sobra, foi certa corrente de ‘’free step’’, ou ‘’se-estrepe’’ pra os íntimos. Uma pergunta bateu na minha cara como o rocky Balboa no final do filme. MAS QUEM POHA DE SER HUMANO NOJENTO ASQUEROSO FILHO DE UM E.T. COM UM TRAFICANTE DO RIO DE JANEIRO ADOTADO POR UM PADRE PEDOFILO CRIADO A CHIBATADAS POR SER MASSOQUISTA FARIA UMA CORRENTE DESSA?

Esse humano até só pensado em minha cabeça de cima não existiria nem que a vaca...nem que a vaca nada, era impossível, mas não, o destino esta ai para isso, esta ai para fuder com seu dia.

Ex: olá galera dá uma olhadinha nos vídeos dos brothers tá show de bola vale a pena conferir. >D

(vídeo)

Se vc não olhar e divulgar esse vídeo, vc vai entra em um carro, e esse carro vai anda e bater bem de frente a um caminhão cheio de gasolina e vc irá morrer. Mas se vc mandar Jesus vai iluminar sua vida, e tudo que vc desejar vai se tornar realidade.

Minha primeira reação depois de ver essa coisa fofa foi achar um prostituto pra comer esse cachorro, talvez não, pois ele poderia gostar. Mas depois de muito pensar falei: vou deixar uma resposta pra esse cidadão. Mas voltei a pensar. E se ele só enviou essa mensagem por que estava com medo de morrer ao se encontrar com o caminhão? Existem pessoas assim. O caso é que eu nunca pegaria o primeiro a mandar a capetada da corrente, e isso me deixou triste.

Pela quantidade de vezes que eu já li e não mandei pra ninguém esse tipo de artifício maquiavélico feito por góticos, emos e adoradores do legião urbana, eu já deveria estar morto a muito tempo. Morto depois morto, ter ido para o inferno depois o inferno do inferno, depois pro caralho de dentro. Mas nada acontece.
Então é só, vim pra isso mesmo, pra compartilhar o dia que recebi uma corrente free step. O dia da corrente mais gay do mundo.


Faça um pedido.










Serio, faça um pedido!!!










Deseje outra coisa!!!!!










Não isso, idiota!!!










Peça outra coisa! Rapido!!!










Pare!!!
(agora você se fudeo!)
Se você ignorar essa corrente depois de ter lido a frase: ‘’faça um pedido’’ tu se fudeo.
 Você terá que mandar o link desse blog junto com a corrente para 20 pessoas em 5 minutos. A corrente não mente. Se você não mandar você vai acordar numa casa abandonada, cheias de garrafas no chão. Você estará amarrado e com mordaça, logo você descobrirá que foi estuprado, e usaram as garrafas no seu rabo, e que se você não se desamarrar  e apertar um botão seus olhos serão furados por duas azeitonas voadoras vindas de um rifle que ta mirado pra você. Logo depois você vai ver que tudo aquilo esta sendo transmitido pelo twitter, e que sua mãe esta vendo tudo enquanto tem relações sexuais com aquele seu amigo. Até mesmo se você se libertar, você será atacado por atores vestidos de bananas de pijama, eles lhe botaram numa vã, e lhe transportara para um terreno onde te farão seguir os dogmas da universal, e você será torturado com musicas do reestart e do legião urbana, por hippies de cabelo cheio.

Mas caso você consiga fazer o contrato da corrente, saiba, saiba que Jesus penetrará em você, você vai ser mórmon, e vai amar Jesus, e Jesus ira lhe amar, você será feliz, se casará com velho (a) rico e quando ele morrer você vai trocá-lo (a) por um gostoso (a) do BBB. E aquela pessoa que você gosta/ama vai fazer sexo carinho/animal com você no dia seguinte, e vai te amar. Vocês dois iram para igreja juntos, até você achar seu velho (a). Depois disso você terá vários filhos e será considerada a pessoa mais feliz do mundo, sendo também a segunda mais rica, só perdendo pra eu. Muhahahaah!

(cumpra a corrente)
É melhor ser feliz do que se fuder  :D
Obrigado

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Me gusta tênis....sí.


Hoje, hoje mesmo, nessa bela terça-feira nublada, acordei com a sensação de que o dia seria uma merda. A mesma sensação que sinto todos os dias, aquela força que lhe faz levantar da cama, olhar para os lados e dizer: foda-se. Hoje prometia ser um grande pequeno dia.

 ‘’Skate free, assuntos assustosos e baratas ninja gaiden ’’
Por: Junior Nodachi

Tudo começou no domingo, um domingo marcado pelo estudo, um domingo salvo por alguns detalhes, um domingo bem domingo... Pensando bem, não foi no domingo, tudo começou a dois meses, quando eu falei: Fabio, relaxa cara, eu levo o skate lá nesse fim de semana pra gente da umas voltas.

Malditas palavras jogadas ao ar. Na grande verdade era tudo uma encenação, eu jamais iria andar de skate na casa de Fabio, no caso, na rua. Eu sou um grande preguiçoso, e isso deveria da falta de skate no meu sangue, que por sinal me fez engordar pra caralho, mas foda-se.

Hoje foi o dia do acerto de contas, no domingo Fabio encheu meu saco pra eu levar o ‘’carrinho’’ pra da uma volta, eu relutei, falei: beleza cara. Só que a cada dia ele falava mais, ai lasco-se de vez. Eu peguei o skate, limpei, troquei a chupeta, o amortecedor. Troquei não, na verdade fiz um com uma borracha de lápis que tinha aqui.

Fui eu, caminhado e cantando e namnam e namnamna... À tarde tava linda, nublada, chuvisco, vento, a coisa mais impossível de se acreditar que possa acontecer em feira de Santana, não tinha brows nas ruas, não passava carro, estava tudo lindo, lindo como a cor do mar, doce como o mel da flor...  namnanananá aihaiiaaa.

Cheguei meio ‘’cabeiro’’ peguei o skate e falei fortes palavras: borá Fabio. Eu o olhava de forma meio, como poderei dizer, meio, ‘’mas q porra é essa Fabio?’’ É... o olhar era esse. Ele tava de bermuda Brow, e de havaianas, foi quando eu achei que ele tava de onda, perguntei se ele não iria botar um tênis, (me gusta tênis, si, me gusta tênis, me gusta, me gusta , me gusta.)  ‘’alguns iram rir MUUUUITOOOO disso’’

Ele tentou, tentou, e tentou, mas achou o futsal, na verdade acho que ele ficou com vergonha de botar um futsal e andar de skate na rua de casa, pois ele deve ser fodão, e isso abalaria sua moral de adulto fodão, mas tudo bem.

Andei, cansei, morri. Isso resumiu bem o que aconteceu. Tirei uns ollis, uns flips errando pra caralho, tentei subir no passeio, mas era alto e eu estou uma merda no skate, minhas pernas já doíam quando Fabio resolveu andar um pouco, ele era tosco, pena, ele andava com base de destro e tirava olli com base canhoto, uma coisa fofa, (eu também era assim , mas eu aprendi).

Ônibus passavam, pessoas riam, velhos achavam demoníaco, garotas achavam ridículos, caras morriam de inveja, tudo resumido em uma tabua laranja velha com rodinhas. Ai começou a chover e foi ótimo, não como o saco que ta sendo escrever esse texto. As batatas da minha perna doem.

Interrompemos esse texto para falar que apareceram dois baratões enormes aqui. Não me desesperei, pois sou muito homem, enfrentei as duas numa batalha épica, poderes, pauladas, sangue, depois de muita luta matei uma delas, a voadora, dei uma sandáliada ela se esbagaçou toda, o barato logo chorava, serrava os dentes para atacar-me, foi quando apareceu darth vader, não o darth vader, darth vader, o darth vader meu gatinho de estimação, ele pulou no barato e tentou matá-lo, mas ele fugiu, o vi uns minutos depois, me encarando, mas tava alto demais pra eu chegar nele, até agora só isso.

Depois de muito skate na veia, decidir ir à casa de Meirelles, que a propósito não quer que falemos dele no meu blog, então prometo não falar o nome Meirelles mais, pois escrever Meirelles não é certo quando se fala de phillipe Meireles, pois um cara gente boa como philippe meirelles tem o direito de não ver seu nome em um blog escroto, tipo eu mesmo não vou escrever phillipe meirelles mais, nesse parágrafo.

 Sim, fui lá ver se ele ia num show ai, tudo indica que iremos e com um complemento a mais, ISAK NÃO VAI!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!, ISSO ME FAZ GANHAR O DIA. Pena que as bandas parecem ser uma merda disfarçada de banda, mas tudo bem, a vida é injusta.
   
Fiquei lá umas duas , três horas, isso sempre acontece com a gente, um vai na casa do outro e passa umas seis, sete horas, e nem ver esse tempo passar, mas isso faz das coisas legais. Vimos musica indu, os indianos lá, ele ta viciado nisso, depois passamos pra musica árabe, depois macumba metal, e depois pra vídeos da universal, finalizando com massacration.

Isso foi um resumo de hoje. Ahh peguei um filme lá, só o titulo já me assusta muito.

Cara a barata apareceu de novo, ela quer vingança, chorava lagrimas de sangue, seu poder de resistir a explosões nucleares (adoooro explosões nucleares) não é palio pra minha sandália larga, tamanho 41, toma cachorra!
Então cortando o assunto, barata e filme, por que é muito chato esse é um dia de farias. Um ilustre dia anus. Um c* atrás do outro, quase uma orgia.

Aprendemos com esse texto que... Não aprendemos nada, nem eu, nem você, nem Fabio, muito menos as baratas.
  
 (me gusta tênis, me gusta tênis, si, me gusta, me gusta, me gusta) Três pessoas vão se mijar de rir quando ler isso.

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Uma história emocionante



 ‘’Uma bela história de vida’’
  Por: Junior Nodachi

Algumas histórias são feitas de pessoas, feitas de cada pedaço de fatos vivenciados e sentidos pelas próprias, cada suspiro de vida transmitido em uma pagina velha ou nova de algo que será supostamente eternizado.

- Bom dia, este é mais um encontro do DVCA, dependentes e viciados do capeta anônimos, hoje nós temos algumas caras novas aqui entre nós, e eles como ‘’novatos’’, devem ser bem recebidos e apoiados tão quanto os mais veteranos.
  
Carlos era um jovem empresário, que se viu em uma época deturpada de sua vida seu ‘’império’’ desmoronar de um dia para noite, devido as seus atos incontroláveis e avassaladores. Carlos era um dependente, um dependente químico.

Carlos desde pequeno se via em situações descontroladas. Na venda do seu Joaquim, na casa de seus tios, sobre as asas de seu pai, Doutor Marcos, ele já mostrava seu verdadeiro ser. Tudo começou bem cedo na vida do Carlos, amigos, amores, escolas, ele se formou com 15 anos, com as melhores notas e com boas recomendações, entrou para universidade no ano seguinte, um filho prodigo aparentemente. Mas o que as paredes escondiam era o verdadeiro e destrutivo objetivo de Carlos, ele era viciado.

- Bom dia novamente, meu nome é Carlos e eu sou o diretor e organizador do DVCA, para quem não me conhece, eu já fui um grande empresário do ramo de exportações, mas minha vida tomava outro rumo, o rumo do vicio. Eu estou a  seis anos limpo... a seis longos anos que eu não boto uma dose de coca-cola na boca.

(palmas)

- Bom então vamos começar. Por que vocês novos e bem vindos membros não se apresentão primeiro.

- Bom dia, meu nome é Nodachi, Junior Nodachi.

(Bom dia Junior)

- eu já conheço os passos do programa, e sei que a primeira coisa é admitir, e isso pelo menos eu já consigo. Eu sou viciado.

(palmas)

- Eu... Eu sou viciado em azeitona, eu sei que é um vicio meio estranho, comecei muito cedo, eu via aquele povo na TV bebendo vodka e comendo azeitona e pensava: nosso como esse troço verde deve ser legal. Minha primeira experiência não digo que foi das muito agradáveis, foi numa pizza, eu ainda era bem novinho, ela tava me olhando, nesse momento eu me lembro dos comercias, da mídia que me induzia a comer à azeitona.

A primeira vez que comi... (soluço), aquela azeitona, você pensa: é moda, eu sou um cara maneiro, mas eu não aguentei. Era verde, e azeda, muito ruim mesmo, mas meus amigos me incentivavam, falavam: vai, é só uma azeitona cara, isso num faz mal pra ninguém, é até bom pra saúde. Bom pra saúde, uma coisa que com certeza não era, uma coisa daquele só podia fazer mal, eu sabia, mas a pressão foi maior. E com isso foram dias, meses, anos, e eu já havia me tornado um especialista em azeitona, já conhecia varias marcas, tanto nacionais quanto internacionais, tipos, cores, formatos. Por um tempo pensei até em comercializar, quem sabe virar um chefe de cozinha, ou algo assim... (choro e lagrimas)... desculpa, eu não consigo mais.

Todos viam a fria e atormentada expressão na cara daquele jovem, um jovem mesmo, ainda tinha toda vida pela frente. Alguns choravam juntos, outros o confortavam, pouco a pouco uma salva de palmas foi puxa, Carlos deu-lhe um abraço e voltou para sua cadeira. Logo já estavam todos calmos, e outro membro estreante da noite tomou a palavra.

- Oi, bom dia, meu nome Gilberto, mas todos me chamam de Gil, mas podem me chamar de Gilberto, ou Gil se quiserem...

(Bom dia Gilberto)

Olha, eu não sou  viciado... não, não que vocês sejam, é que, eu não, eu não deveria nem estar aqui, só faço isso pela minha mãe, e... eu jogo, jogo jogos, de vídeo games, desde a época do Nintendo eu já sou desse jeito, minha fala que eu não tenho salvação, e no fundo eu sei disso. Já roubei, já matei, já usei hacker, ain, trapaças, password, e tudo mais, já freqüentei lan houses, locadoras, e também, jogava qualquer tipo de vídeo game, não importava o ano, nas minhas recaídas jogava até polystaion, minha mãe me pegou usando um atari um dia. Sentir-me mal depois disso, me sinto até hoje, quando lembro aquele controle molhado de suor na minha mão, aqueles meus olhos fundos depois de zerar o Pokémon. Como não tinha memory card, era tudo na raça mesmo.

Já passei também por varias instituições de tratamento, não nego que no começo era fácil, eu achava que ia tirar de letra, ainda até posso tirar, pena que minha mãe não pensa mais o mesmo. Ela acha que sou viciado, da pra sacar? Um cara como eu, sempre fiz bem às coisas, se ela pedia pão de sal, eu trazia pão de sal, se ela falava, passa no mercado e trás leite, eu trazia. Tudo bem que às vezes eu pega o dinheiro e ia jogar, mas só nas recaídas, não foram muitas vezes, só umas... 80, por ai, nada que merece passar o que estou passando.

Pra vocês terem noção, eu já fui campeão estadual de game boy advancer, um feito meio foda, para uma pessoa que vem da pobreza como eu, eu nunca usei meu wii, ele ta lá na estante, fala, fala pra mim, que favelado que é q não usa seu wii pelo menos duas vezes no dia, que favelado que não da uma correria no play 3, toda noite? minha vida é difícil, era uma luta a cada dia, no dbz, kof, ff7,dd, sempre lutando mesmo, no the sims mesmo, minha família tinha do bom e do melhor, ninguém reclamava, tinha até uma filha a caminho.

Então é isso, esse foi meu depoimento aqui pra vocês, pra vocês entenderem que não sou viciado, quem não gosta de jogar? Quem? Quem nucar pegou uma partida de guitar hero e depois uma noitada de futebol, o mais novo, quem nunca fez isso? Que culpa eu tenho se todo dia na frente da minha casa o cara passa gritando 3 por 10, 3 por 10, é dura cara, é duro.

(palmas)

Gilberto foi abaixando a cabeça aos poucos, viu que tinha se altera um pouco, mas viu que todos o entenderam seu drama e lhe apoiavam.

  (silêncio)

Anham , então vamos para o ultimo da noite, Jorge fale um pouco sobre você para esses novos membros, de uma pouco de esperança para essas novas almas.

- bom dia, eu sou o Jorge.

(Bom dia Jorge)

 Olha galera, muita gente já me conhece aqui, e sabe minha história, mas não custa falar mais uma vez, não custa relembrar esses meus 2 anos, 7 meses, 5 dias, 4 horas e...27 minutos sem me dopar.

Eu comecei bem novo aqui como a maioria de vocês, o meu negócio era mais aventura do que mesmo as consequências, sabe, me enchia mesmo, não media quantidades, era comprando e mandando pra dentro, eu era viciado em halls, assim como o Gilberto pra mim não tinha descriminação, era menta, melancia, melão, uva , morango, cereja, qualquer uma, em qualquer hora, não importava o valor também, podia ace, creme, tablete, cartucho, não importava mesmo.

Meu salário ia todo nisso, eu achava sempre que estava abafando, chega as minas, eu dava um hallszinho, puxava pra um canto e tal, aquilo me ajudava bastantes com as mulheres, ai que foi mais duro de largar, aquilo me deixava no auge, não tinha tempo ruim. Mas ai as coisas foram engrossando, eu atrasava aluguel, ficava sem comer, não comprava nada, nem água e luz eu pagava, era a deus dará.

Foi quando eu comecei a me envolver com os distribuidores, eu comecei a vender, sabe, pra uns amigos, na caixinha no ônibus, nas sinaleiras, só pra manter meu vicio mesmo, tudo que eu vendia, eu consumia depois. Ai fui evoluindo, abrir uma barraquinha, só de halls mesmo, tinha até estrangeiro, tinha também os piratas, saiam bastante até. Só que a barra ficava cada vez mais pesada. A policia me parava diariamente pra querer aquela balinha do fim de semana, sabe como é policia brasileira né? Sem a balinha do fim de semana nada feito.

Ai eu fui pras cabeças, fui chamado depois de fazer uns contatos ai, para trabalha no coração, na fábrica da halls, era tudo que eu queria, só que sabe como é vicio, nessas horas o inimigo atenta, eu usava na boa, ninguém nem notava, foi quando eu tava ficando escondido dentro do balde de sobras , pra passar a noite na fabrica, e era só alegria, mas meu erro foi não ter me controlado, pois nessa época era o halls que me controla.

Eu não sabia que meu chefe via tudo pelas câmeras de vigilância da fabrica, logo fui chamado pra dar explicações, ai ficou tenso, ele não entendeu meu lado, eu expliquei do meu vicio, foi ai que ele ficou bruto no baratinoso, e prestou queixa, eu peguei três dias de cara, três longos dias de cana, e sair ainda por justa causa, os cana me bateram, eu fui humilhado pelos outros detentos, foi uma época punk, muito doida mesmo.

E é isso gente, esse é um pouco da minha história, ai depois o Carlos me adotou aqui o encontro, e daí em diante nunca mais botei um halls na boca, tive recaídas também, mas nada que fizer-se eu abaixar minha cabeça, sabe, então é só um bom dia pra vocês.

(palmas)

E assim termina mais um dia na DVCA tentando recuperar almas, e corpos de pessoas sofredoras. Se você ou tem algum familiar nas mesmas situações ligue para: 033 33663366
E seja feliz.



   



domingo, 2 de janeiro de 2011

NÃO PERCA SEU TEMPO COM ESSE TEXTO


NÃO PERCA SEU TEMPO COM ESSE TEXTO


Adeus ano velho, feliz ano novo, que tudo se realize no ano q vai nascer... UMA CACETA! 

Que começamos 2011 com o gostinho de álcool na boca, todos já sabem. Mas o que faz 2011 ser diferente do fabuloso 2010? Eu realmente não sei responder. (caso você sabia, é por que você é um fodalhão).

2010 nos faz lembrar aquele dinheiro perdido, daquela paixão tocas, dos bons momentos, do rebaixamento, da copa, daquele churrasco onde você pegou aquela sua amiga gostosa, do dia seguinte quando soube que ela tinha namorado, da surra que levou quando ele soube, das drogas que você usou, das cervejinhas dadas a policias, do ladrão que roubo seu celular, da sua mãe te gritando, do sites pornôs que você visitou, da foto que você tirou da sua avó, da milésimo pessoa a ser seu amigo no Orkut, daquela pergunta escrota que sua amiga lhe faz, dos meninos que tocam sua campainha e correm. É 2010, pequeno grande ano, cheio de coisas escrotas e supérfluas.

Mas o assunto é o new year, como fazer dele um ano melhor?

‘’Tutorial de como fazer seu ano ser do caralho’’
Por: Junior Nodachi

Quem já leu um livro do Augusto Cury? Muitas pessoas eu acredito. Então pronto, se já leu trate de dar meia volta desse texto e passa para outro, pois seu ano será uma beleza, cheio de fadinhas e pôneis encantados vindo do país do algodão doce.  Mas se você é aquele 1% curioso, que não leu a bosta do livro, eu venho até vocês com a solução.

O primeiro passo é você relembrar tudo de ruim que aconteceu esse ano, fazer um apanhado mesmo, com se fosse uma retrospectiva, só que sem a Gloria Maria e Sérgio Chapelin, uma grande e pilhado morro de merda que aconteceu nesse ano.
...
...
...
...
...
...
...
Faça a reflexão antes de continuar.
...
...
...
...
...
...
...
...
Agora que você ta deprimido, pose prosseguir

Quando você terminar estará pronto para saber que tudo vai se repetir, só que desta vez vai ser bem pior, por que 2011 é o ano de você tomar no c*. (alguns iram me criticar sobre esse texto, outros não. Os que me criticarem serão perseguidos daqui a alguns anos por meus adoradores e seguidores fanáticos, e serão queimados em grandes fogueiras de maçaranduba)

Agora que você deu o pulinho nas ondas, bebeu sidra, contou a musica do ano novo e ano velho com seu tio bêbado ao seu lado, Brincou de GTA com seu carro na volta pra casa. Sabia, eu lhe desejo um feliz ano novo, e que todos vocês se lasquem, pois eu sou chato mesmo, assim como esse texto sem sentido feito as pressas.

Ah, só mais duas coisinhas. Primeira, eu não sou assim na realidade, sou um jovem adolescente/adulto com problemas de estima que é realmente fã do reestar , e do Luan Santana. A segunda é....\o/ viva o ‘’se-estrepe, com cachaça ’’ \o/

(poucos vão entender esse texto. Mas a vida é injusta com vocês.)